FEARCITY

(In)Segurança

A violência e a insegurança estão presentes no quotidiano dos cidadãos, apresentando-se de formas e com intensidades diferentes. Estas situações ocorrem a diferentes escalas, desde uma micro-escala correspondente às agressões interpessoais, como pode ser exemplo o bullying escolar; a uma macro-escala, centrada nos abusos de poder por parte de grandes grupos, corporações ou instituições.

Se por vezes a figura do mediador e pacificador ganha importância, assegurando um equilíbrio que garante o interesse das partes em conflito (o que nem sempre é possível), outras, a participação das forças da ordem acabam por ser inevitáveis. A vigilância e as formas de prevenção, investigação e intervenção surgem num “combate” constante contra as ameaças que comprometem o status quo, da vida em sociedade. Mas que acontece quando todas estas figuras são incapazes de garantir o bem-estar das pessoas? Que sucede quando estas figuras são as responsáveis pela violência? Será possível mensurar a qualidade de vida dos citadinos? Partindo destas questões e reflexões, convidamos todos os interessados a enviar contribuições no âmbito dos seguintes tópicos:

  • Terrorismo e grupos radicais
  • Consumo e tráfico de drogas
  • Tráfico de pessoas e/ou de órgãos
  • Comunidades e práticas de vigilância
  • Gangues, milícias e grupos paramilitares
  • Desigualdades (e vulnerabilidades) sociais e conflitos
  • Forças policiais e forças militares
  • Mediadores e pacificadores, realidade em contexto
Advertisements